O CICLO DA INDEPENDÊNCIA

O CICLO DA INDEPENDÊNCIA

Dos 21 aos 28 anos desenvolvemos nossas primeiras habilidades técnicas e passamos a representar alguns papéis na sociedade. Buscamos um lugar no mundo mas ainda nos preocupamos sobre “o que os outros vão pensar de mim”.

Acreditamos no grande e único amor e nos identificamos fortemente com o ideal do casamento e construção de uma casa e de uma família. Nos identificamos com nosso corpo como canal de sedução e conquista de um lugar dentro do feminino.

E Giulia é minha irmã e está bem nesta fase. Aquela em quem saímos da casa dos nossos pais e começamos a caminhada sozinhos. É duro, é cansativo. Aprendemos e re-aprendemos muitas coisas e as vezes bate aquela duvida “Meu Deus pra que eu fui sair da casa dos meus pais?”. Se trabalha muito, em casa e fora dela e nenhuma função do dia a dia parece ter fim. Não há tempo para descanso pois é tempo de construção.

Passei alguns dias com a Giulia, fotografei a mudança da casa, uma noite e uma manhã na saída corrida e atrapalhada para o trabalho, a 1a recepção dos amigos na casa nova. Eu acho que foi a fase que me fez doer o coração porque a minha irmã mostrava um lado dela que eu não viria se eu não acompanhasse tão de perto: o lado cansado, com duvidas, questionamentos, insegurança e ansiedade. Me fez lembra que também passei por isso mas havia esquecido. Lavar nossa própria roupa, cozinhar nossa própria comida, pagar nossas próprias contas.

De qualquer forma e apesar disso tudo cada dia é uma conquista, cada móvel novo é um evento, existem sempre novidades, existem sempre planos, e coisas a serem feitas.

As rédeas da nossa história, foram finalmente tomadas.

 

O CICLO DA MATURIDADE

O CICLO DA MATURIDADE

O CICLO DA EXPERIÊNCIA

O CICLO DA EXPERIÊNCIA